Onde limite é a virgula e não o ponto.


Chamando

08/08/2013 07:31

 

O homem farol, 

Ilumina o ônibus cedendo lugar à senhora cegueira 

Esta senhora tem mil cilindradas no coração, 

Empurra a mulher sobre rodas na subida da rua consolação 

 

A mulher cadeirante não precisa dos sapatos

Então calça a oportunidade nos pés do menino atleta

O menino agradece sendo campeão!
 

Este rapaz é todo verão,

E seu sorriso aquece como quem tece amarelo agasalho

Que usa junto ao verde de sua seleção

Viaja o mundo todo, distribuindo o sol por onde passa

 

Inspirando o homem laço

Que ata em abraços os filhos desgarrados

Largados na rua ladeira da consolação...


O homem laço também é prato

E alimenta com sopa, pedintes ensopados...

Estes pobres ricos tem na alma a casa

E abrem solidária porta aos solitários

 

Oferecendo tudo... O nada que tem...
 

O homem pincel vê compaixão à cena

Mescla o branco ao vermelho e planta roseiras no jardim

Miscigenação que embeleza as flores

 

O jardineiro cultiva as rosas,

Residindo gerânios no vizinho morador

Revolve a Terra,

Rega e acolhe contíguo amor...

 

O homem verso é sabedor do quadro

E entoa a si mesmo estas canções...

Sua voz em tons de "Por favor", "Grato" e "Obrigado"

Palavras mágicas, poderosas...

Poemas encantados em gestos...

Trovas de "Bom dia"

Que faz questão de desejar a todos,

Todos os dias...

 

Um amigo carteiro 

Entrega estes bons exemplos em cartões postais

Compartilhando esperança às pessoas

Hoje recebi sua mensagem...

No eu do espelho há promessas

Em você e em mim

Do homem humano

Que não tem nome,

É um... Chamado Gentil...

 

Foto: Pablo Picasso - Petti Flowers -

Texto: Maurício Gervazoni

Curtiu? Curta: https://www.facebook.com/poesiassemfronteiras

—————

Voltar



Crie um site com

  • Totalmente GRÁTIS
  • Centenas de templates
  • Todo em português

Este site foi criado com Webnode. Crie um grátis para você também!