Onde limite é a virgula e não o ponto.


Afloramento

01/10/2014 07:58

Afloramento

 

Nasci doce desejando sal

Emergi das profundezas

Brotei em terra tenra...

Macia, molhada, morna.

 

Urgi afrodisíaca

Aninhada em voluptuosa montanha

Olho d´água de botão rosa

 

Primícias em córregos rasos

Mergulhando sede de rio

Vontade de chegar a mar

 

Braços deslizantes às encostas

Confluindo em busca de ti

 

Água sedenta margeando o monte

Água visguenta escorrendo na relva

Água alecrim contornando relevo

Água lustre de casta seiva lasciva

 

Vou, avolumo,

Volumando a vontade nos afluentes

Crescendo, subindo, descendo

Desço forte as encostas

Como corredeiras que voo

Lambendo a terra

Esfrego, torço, retorço

Recortando a pele do mundo

Por pura gana de mar.

 

E dentro da terra, erodo cordilheiras

E fora de ti, caudaloso, gemo

E no ápice de nós

Gritamos catarata, cachoeira.

 

É no pico do mundo,

Que jorramos em saltos

Suando em bicas.

 

Despejo fome

Engulo toda lagoa

Alago doce água .

 

O prazer descansa

O regaço regato, acalma

 

O vapor de nós sobe

Some no azul celeste

E reaparece

Orvalhando nuvens

Pintando a paisagem de branco

 

Rio para ti no leito

Minha água na boca

Desembocando beijo

Na foz de ti o mar

Há mar no sal do teu rosto

Rio de encontro à lágrima feliz...

 

Texto: Maurício de Carvalho Gervazoni

Mais: http://www.sem-fronteiras.net/news/rastros-de-rimas/

—————

Voltar



Crie um site com

  • Totalmente GRÁTIS
  • Design profissional
  • Criação super fácil

Este site foi criado com Webnode. Crie o seu de graça agora!