Onde limite é a virgula e não o ponto.


Absolvição

04/06/2013 07:32

 

_Corpo à alma:

 

Se perdurará, não sei

Se gotas de orvalho surgirão na face, não sei

Se um dia a faca perpassará as costas, será malparar

 

Entraste no templo

Fizeste o juramento

Ao pé do santo expiou o pecado

E Prometeu

Teu voto agora é meu

 

Eu que apaguei com amor teus pecados

Eu que senti na pele a dor dos teus devaneios

Eu que carrego as chagas deveras de golpes desferidos

Absolvo-te querida alma

 

_Alma ao corpo:

 

Se perdoares, será para sempre e assim será

Se aceitares, minha prece irá proteger-te

Se consentires, jamais irei te machucar novamente

 

Fechaste os olhos, e eu entrei no santuário

Fiz juras de amor solene

Reconheci meu pecado cantando odes a tua imagem

Garanto

Meu voto agora é nosso!

 

Eu que paguei meus pecados fazendo-te sofrer

Eu que iludida coloquei-te fronte ao açoite do carrasco

Eu que flagelei e deixei-te marcado

Perdoa-me querido corpo, pois eu já me perdoei  

 

 

Texto: Maurício Gervazoni

Imagem: Google Images

 

Curtiu?Curta:https://www.facebook.com/poesiassemfronteiras

 

 

 

—————

Voltar



Crie um site com

  • Totalmente GRÁTIS
  • Centenas de templates
  • Todo em português

Este site foi criado com Webnode. Crie um grátis para você também!